21
O INVENTÁRIO DE AVALIAÇÃO DA PERSONALIDADE (PAI):
CONTRIBUTOS PARA A AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA EM PORTUGAL
PERSONALITY ASSESSMENT INVENTORY PAI: CONTRIBUTIONS TO
PSYCHOLOGICAL ASSESSMENT IN PORTUGAL
Mauro Paulino1, Mariana Moniz2, Octávio Moura3, Daniel Rijo4, Mário R. Simões5
PSIQUE • EISSN 21834806 • VOLUME XIX • ISSUE FASCULO 2
1ST JULY JULHO  31ST DECEMBER DEZEMBRO 2023 PP. 2153
DOI: https://doi.org/10.26619/2183-4806.XIX.2.2
Submitted on 20/03/2023 Submetido a 20/03/2023
Accepted on 27/07/2023 Aceite a 27/07/2023
Resumo
O Inventário de Avaliação da Personalidade (PAI) é um instrumento objetivo de autorresposta
que visa proporcionar informão sobre a psicopatologia, personalidade e ambiente psicossocial
do sujeito examinado, abrangendo constructos relevantes quer para o diagnóstico clínico, quer
para a tomada de decisões. A nível estrutural e psicométrico, constitui uma melhoria em rela-
ção a outros instrumentos de avaliação da personalidade (e.g., MMPI-2, MMPI-2-RF e MCMI-III).
OPAI, desde a sua criação, tem reunido reconhecimento internacional, enquanto ferramenta útil
em contextos clínicos, forenses e no âmbito da investigação. O presente artigo procura efetuar
uma revisão e sistematização do processo de construção, administração, cotação e interpretação
do PAI, bem como da sua estrutura fatorial e restantes propriedades psicométricas nos diversos
1 Doutorando em Psicologia Forense pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
(FPCEUC). Membro do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC). Mem-
bro do Laboratório de Avaliação Psicológica e Psicometria da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universi-
dade de Coimbra (FPCEUC). Coordenador da Mind | Psicologia Clínica e Forense. E-mail: mpaulino_psic@yahoo.com
ORCID ID: https://orcid.org/0000-0002-1204-7557
2 Membro do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC). Membro do
Laboratório de Avaliação Psicológica e Psicometria da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de
Coimbra (FPCEUC). Psicóloga na Mind | Psicologia Clínica e Forense. E-mail: marianacmoniz@gmail.com
ORCID ID: https://orcid.org/0000-0001-5154-8955
3 Doutorado em Neuropsicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
(FPCEUC). Investigador Doutorado Integrado do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Compor-
tamental. Membro do Laboratório de Avaliação Psicológica e Psicometria da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
da Universidade de Coimbra (FPCEUC). E-mail: octaviomoura@gmail.com
ORCID ID: https://orcid.org/0000-0002-5857-6200
4 Professor Associado na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC). Coorde-
nador Científico do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC). E-mail:
drijo@fpce.uc.pt
ORCID ID: https://orcid.org/0000-0002-5368-0770
5 Professor Catedrático na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC). Mem-
bro integrado do grupo de investigação Neuropsychological Assessment and Ageing Processes do Centro de Investigação em
Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC). Diretor do Laboratório de Avaliação Psicológica e Psico-
metria da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. E-mail: simoesmr@fpce.uc.pt
ORCID ID: https://orcid.org/0000-0002-1311-1338
22
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
contextos de aplicação. Adaptações do PAI noutros países e versões alternativas (e.g., PAI-SF,
PAS, PAI-A) são igualmente descritas e as respetivas qualidades psicométricas serão sistematiza-
das. A adaptação e validação do PAI para a população portuguesa é particularmente relevante,
constituindo um importante contributo para a avaliação psicológica e para o seu exercício pro-
fissional em Portugal.
Palavras-chave: Inventário de Avaliação da Personalidade; Personalidade; Psicometria; Validação.
Abstract
The Personality Assessment Inventory (PAI) is a self-report scale that aims to provide infor-
mation about psychopathology, personality, and the psychosocial environment of a person, all
of which are important constructs for clinical decision-making and diagnostic processes. At the
structural and psychometric level, it is regarded as an improvement in relation to other person-
ality assessment inventories (e.g., MMPI-2 and MCMI-III). Since its publication, the PAI has gath-
ered international recognition, and is now considered a useful instrument in clinical, forensic
and research contexts. The present study aims to review and summarize the PAI’s development,
administration, scoring, and interpretation, as well as to discuss its factorial structure and other
psychometric properties in different contexts. The adaptation of PAI across cultures, as well as
other alternative versions (e.g., PAI-SF, PAS, PAI-A) are also presented and summarized, and their
psychometric properties are analyzed. The Portuguese adaptation and validation of PAI would
significantly contribute to the progress of the psychological assessment field in Portugal.
Keywords: Personality Assessment Inventory; Personality; Psychometry; Validation.
Introdução
Em 1991, o psicólogo Leslie Morey desenvolveu o Inventário de Avaliação de Personalidade
(PAI), um inventário de autorresposta que proporciona informão relativa a psicopatologia,
personalidade e ambiente psicossocial, avaliando constructos relevantes para o diagnóstico e
tomada de decisões clínicas (Morey & Boggs, 2003; Morey & McCredie, 2020). Aquando do seu
surgimento, o PAI foi considerado comoone of the most exciting new personality tests” (Schlosser,
1992, p. 12), sendo, inclusivamente, descrito como “a substantial improvement from a psychometric
perspective over the existing standard in the area” (Helmes, 1993, p. 417).
O PAI procurou ser uma alternativa robusta ao Inventário Multifásico de Personalidade de
Minnesota (MMPI – Minnesota Multiphasic Personality Inventory) e Inventário Multifásico de Per-
sonalidade de Minnesota-2 (MMPI-2 – Minnesota Multiphasic Personality Inventory-2), ultrapas-
sando algumas das limitações psicométricas dos mesmos, incluindo o conteúdo heterogéneo
numa mesma escala (Helmes & Reddon, 1993), a combinação de modelos de medida categoriais e
dimensionais, a sobreposição/redundância de escalas (Eysenck, 1991; Helmes & Reddon, 1993), a
ausência de validação cruzada na seleção dos itens (Helmes & Reddon, 1993) e a falta ou desade-
quada representatividade das amostras normativas (Duckworth, 1991; Helmes & Reddon, 1993).
23
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
Em comparação com o MMPI-2, o PAI apresenta diversas vantagens, nomeadamente uma estru-
tura mais lógica, maior facilidade de resposta, cotação e interpretação (Boyle & Lennon, 1994;
Weiner & Greene, 2017). O PAI é a única medida de avaliação da personalidade em que os itens
foram selecionados recorrendo a uma base tanto estatística, como teórica, no sentido de evitar a
sobreposição dos itens, aspeto que constitui um aperfeiçoamento em relação ao MMPI original e
ao MMPI-2 (Wise et al., 2010).
O PAI oferece, ainda, a possibilidade de avaliar o risco de comportamentos agressivos, o que
constitui uma mais-valia adicional em contextos forenses e de saúde mental (Kurtz & Blais, 2007).
Desde a sua criação, o PAI tem reunido reconhecimento enquanto instrumento útil em contextos
clínicos, forenses e no âmbito da investigação (e.g., Morey & Boggs, 2003; Morey & Meyer, 2013;
Siefert et al., 2009; Till et al., 2009).
O manual profissional do PAI encontra-se na sua segunda edição (Morey, 2007a), onde, para
além de descrever o processo de desenvolvimento do instrumento e proporcionar informão
sobre a sua administração e cotação, apresenta dados atualizados sobre aspetos técnicos das
normas do inventário, assim como sobre a sua fiabilidade e validade.
A Construção do Inventário de Avaliação da Personalidade
O processo de construção do PAI adotou uma abordagem baseada na validade (em parti-
cular, a validade de constructo), onde as dimensões avaliadas foram selecionadas com base na
sua importância para a concetualização diagnóstica, assim como na sua relevância para a p-
tica clínica. Como tal, o enquadramento teórico/racional e quantitativo que esteve na base do
desenvolvimento do PAI colocou a ênfase numa abordagem baseada na seleção informada dos
itens, através do estudo cuidado da literatura por dets de cada constructo e adotou um número
diverso de parâmetros para a seleção de itens, sem nunca depender de apenas um tipo de parâ-
metro (Morey, 1991; Morey & Boggs, 2003).
Foram enfatizadas duas dimenes de validade na constrão das escalas do PAI, nomea-
damente: i) validade de conteúdo (i.e., de que forma é que a medida proporciona uma amostra
representativa do conteúdo relevante do constructo de interesse); ii) validade concorrente (i.e., de
que forma é que a medida é um indicador “puro” do constructo de interesse e não está contami-
nado por associações a outros constructos) (Morey & Boggs, 2003). Consequentemente, as escalas
do PAI foram construídas no sentido de proporcionar informão acerca dos constructos a medir,
tanto a nível de diversidade, como a nível de severidade de sintomas (Morey & McCredie, 2020).
Após a definição de constructos-alvo, realizada mediante uma análise cuidada da literatura
teórica e empírica, foram criados itens diretamente relevantes para cada um dos constructos. De
modo a maximizar a validade concorrente do PAI, garantiu-se que os itens selecionados tinham
associações substanciais com o constructo pertinente e associações mínimas com outros cons-
tructos (Morey & Boggs, 2003; Morey & McCredie, 2019).
Inicialmente, uma base com mais de 2200 itens foi construída e revista por uma equipa
composta por investigadores da área de avaliação psicológica, psicólogos clínicos, assim como
estudantes licenciados e doutorados na área de Psicologia, que procederam a uma avaliação da
adequação do conteúdo dos itens e da sua adequação ao inventário (Morey, 1991). Qualquer item
que não reunisse 75% de consenso era alterado ou eliminado. Este processo deu origem a uma
24
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
versão preliminar constituída por 1086 itens, os quais foram revistos por um painel de revisores,
com vista a identificar possíveis enviesamentos e determinar a possibilidade de os itens serem
ofensivos a nível de género, raça, religião ou integração em qualquer grupo étnico. Qualquer item
percebido como discriminatório (i.e., ofensivo para qualquer género, grupo étnico, socioeconó-
mico e/ou religioso) ou que identificasse inadequadamente um comportamento normal como
psicopatológico era eliminado (Morey, 1991; Weiner & Greene, 2017).
De seguida, um painel de peritos organizou os itens no sentido de garantir a adequação de
cada um à respetiva escala, tendo sido reunido um consenso de 94.3% para os 776 itens que inte-
graram a versão alfa do PAI (Morey, 1991; Weiner & Greene, 2017). Esta versão alfa foi testada
em 306 estudantes universitários em três condões: i) estandardizada, onde os estudantes res-
pondiam de forma honesta e franca; ii) favorecendo uma imagem positiva, onde lhes era pedido
que simulassem respostas como se tratasse de alguém que quereria impressionar um possível
empregador; iii) simulação, onde lhes era solicitado que simulassem as respostas de uma pessoa
com uma perturbação mental, naquilo que é, atualmente, denominado como design de simulação
análogo. A utilização de diversos critérios permitiu a identificação e seleção de 597 itens para a
versão beta do instrumento (Morey, 1991). Esta versão foi, por sua vez, administrada a três gru-
pos: i) adultos de uma amostra não clínica da população geral; ii) amostra clínica (i.e., sujeitos
internados, ou não, com diagnósticos de perturbação distímica, perturbação de personalidade,
perturbação de ansiedade, perturbação depressiva major e/ou com consumos e/ou dependência
de álcool e drogas); iii) estudantes universitários, com instruções para agirem de forma exagera-
damente positiva ou exageradamente negativa. Critérios de seleção de itens, semelhantes aos da
versão alfa do PAI, foram utilizados nesta versão beta.
Os 344 itens finais do PAI representaram a solução mais equilibrada do inventário, onde
nenhum item pode ser cotado em mais do que uma escala (Morey, 1991; Weiner & Greene, 2017).
Estrutura e Características Psicométricas do PAI
O PAI inclui quatro tipos de escalas: i) escalas de validade; ii) escalas clínicas; iii) escalas de
contingência clínica; iv) escalas de estilos de relacionamento interpessoal. Das 22 escalas que
constituem o PAI, 10 incluem subescalas (ver Tabela 1). O manual profissional do inventário dis-
ponibilizou, ainda, três índices suplementares (i.e., Índice de Potencial para o Suicídio, Índice de
Potencial para a Violência e Índice de Processo de Tratamento), assim como um conjunto de itens
críticos, a considerar durante o processo de cotação e interpretação dos protocolos (Morey, 1991).
As respostas do PAI são apresentadas numa escala tipo Likert que varia entre 1 e 4 (i.e.,
falsa, “ligeiramente verdadeira, “bastante verdadeira” etotalmente verdadeira) (Morey, 1991;
Morey & Boggs, 2003; Morey & McCredie, 2020). A existência de uma escala com várias opções
de resposta, em detrimento de uma escala dicotómica (e.g., “sim/não”; “verdadeiro/falso”), per-
mite aumentar a sensibilidade e a fiabilidade das respostas dadas (Bowling, 2005; Greenwald &
O’Connell, 1970; Johns, 2010; Nemoto & Beglar, 2014). Na tabela 1 são apresentadas as escalas e
subescalas do PAI.
25
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
TABELA1
Estrutura das Escalas e Subescalas do PAI
Escala Subescala
Escalas de validade
Inconsistência (ICN): 10 pares de itens
Infrequência (INF): 8 itens
Imagem negativa (NIM): 9 itens
Imagem positiva (PIM): 9 itens
Escalas Clínicas
Queixas somáticas (SOM): 24 itens Conversão (SOM-C): 8 itens
Somatização (SOM-S): 8 itens
Hipocondria (SOM-H): 8 itens
Ansiedade (ANX): 24 itens Cognitiva (ANX-C): 8 itens
Afetiva/Emocional (ANX-A): 8 itens
Fisiológica (ANX-P): 8 itens
Perturbações relacionadas com a ansiedade (ARD): 24 itens Obsessivo-Compulsiva (ARD-O): 8 itens
Fobias (ARD-P): 8 itens
Stress-Traumático (ARD-T): 8 itens
Depressão (DEP): 24 itens Cognitiva (DEP-C): 8 itens
Afetiva/Emocional (DEP-A): 8 itens
Fisiológica (DEP-P): 8 itens
Mania (MAN): 24 itens Nível de Atividade (MAN-A): 8 itens
Grandiosidade (MAN-G): 8 itens
Irritabilidade (MAN-I): 8 itens
Paranoia (PAR): 24 itens Hipervigilância (PAR-H): 8 itens
Perseguição (PAR-P): 8 itens
Ressentimento (PAR-R): 8 itens
Esquizofrenia (SCZ): 24 itens Experiências Psicóticas (SCZ-P): 8 itens
Isolamento Social (SCZ-S): 8 itens
Perturbação do Pensamento (SCZ-T): 8 itens
Traços borderline (BOR): 24 itens Irritabilidade Afetiva (BOR-A): 6 itens
Problemas de Identidade (BOR-I): 6 itens
Relacionamentos Problemáticos (BOR-N): 6 itens
Autoagressão (BOR-S): 6 itens
Traços antissociais (ANT): 24 itens Comportamentos Antissociais (ANT-A): 8 itens
Egocentrismo (ANT-E): 8 itens
Comportamentos de Risco (ANT-S): 8 itens
Problemas com álcool (ALC): 12 itens
Problemas com drogas (DRG): 12 itens
26
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
Escala Subescala
Escalas de contingência clínica
Agressividade (AGG): 18 itens Atitude Agressiva (AGG-A): 6 itens
Agressão Verbal (AGG-V): 6 itens
Agressão Física (AGG-P): 6 itens
Ideação suicida (SUI): 12 itens
Stress (STR): 8 itens
Falta de suporte social (NON): 8 itens
Resistência ao tratamento (RXR): 8 itens
Escalas de estilos de relação interpessoal
Dominância (DOM): 12 itens
Amabilidade (WRM): 12 itens
Total: 344 itens
Escalas de Validade
As quatro escalas de validade do PAI – Inconsistência (ICN), Infrequência (INF), Imagem
Negativa (NIM) e Imagem Positiva (PIM) – foram desenvolvidas para avaliar distorções de perfil,
sistemáticas ou aleatórias (Morey & McCredie, 2020).
No que remete para distorções de perfil sistemáticas, estas têm efeitos tipicamente previsí-
veis nos resultados dos testes, seja porque fazem os resultados traduzir um funcionamento psi-
cológico mais saudável (i.e., distorções positivas), ou mais perturbado (i.e., distorções negativas)
(Morey & McCredie, 2020). As distorções sistemáticas podem ser intencionais (e.g., faking good
ou faking bad), ou implícitas (e.g., defensividade) (Morey & McCredie, 2019). Assim, estas distor-
ções não têm de ser, necessariamente, propositadas ou intencionais, pelo que sujeitos com fraco
insight podem apresentar, frequentemente, distorções positivas ou, alternativamente, negativas.
As escalas de validade de PIM e NIM foram concebidas para avaliar este tipo de distorções siste-
máticas (Morey, 1991).
Por sua vez, as distorções de perfil aleatórias têm efeitos mais imprevisíveis no perfil dos
sujeitos e, se significativas, podem levar a que as respostas dadas ao inventário se tornem não
interpretáveis. Nestes casos, as escalas de ICN e INF foram desenvolvidas para proporcionar
uma avaliação deste tipo de fontes de distorção, pelo que valores elevados nestas escalas podem
resultar de problemas tais como a confusão, inatenção e dificuldades de leitura, o que sugere que
o perfil assim obtido deva ser interpretado com cautela (Morey & McCredie, 2020).
As escalas de ICN e INF revelam-se sensíveis à identificação de respostas alearias, mas
menos sensíveis em situações em que o protocolo é apenas parcialmente respondido (Clark et al.,
2003). Para auxiliar na interpretação destes resultados, Morey e Hopwood (2004) desenvolveram
o Indicador de Back Random Responding (BRR) (i.e., indicador que analisa respostas aos últimos
itens do inventário inconsistentes com as respostas dadas aos primeiros itens), recorrendo a uma
análise das discrepâncias entre a versão breve e completa das escalas de Problemas de Álcool
(ALC) e Ideação Suicida (SUI). Quando as discrepâncias entre a versão breve e completa são supe-
riores a 5 pontos de nota T para as escalas de Problemas de ALC e SUI, a probabilidade de back
27
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
random responding é superior e poderá dever-se a fadiga, confusão, erros de cotação ou falta de
comprometimento do respondente (Morey, 2007a). O BRR apresenta um poder preditivo satisfa-
tório ao longo de diferentes níveis de Back Random Responding (Siefert et al., 2012).
No que remete para a consistência interna das escalas de validade, verificaram-se valores
que variam de indesejáveis a respeitáveis (critério de DeVellis, 2017) nas escalas de NIM (.72 na
amostra da comunidade, .63 na amostra universitária e .74 na amostra clínica) e de PIM (.71 na
amostra comunitária, .73 na amostra universitária e .77 na amostra clínica). Ademais, os valores
das escalas de ICN (.45 na amostra da comunidade, .26 na amostra universitária e .23 na amostra
clínica) e de INF (.52 na amostra da comunidade, .22 na amostra universitária e .40 na amostra
clínica) ficaram aquém do desejado, o que poderá dever-se ao facto de estas escalas não avalia-
rem constructos teóricos substantivos, mas sim indicadores de erro de variância que podem ser
aleatórios e, como tal, não correlacionados (Morey, 1991).
Escalas Clínicas
A determinação de quais as perturbações mentais que deveriam ser avaliadas pelo PAI
guiou-se por dois critérios: i) a sua relevância histórica para o campo da doença mental; ii) a sua
imporncia para a prática diagnóstica contemporânea (Morey, 1991).
Estes critérios permitiram a seleção de um conjunto de perturbações reconhecidas como
fenómenos psicológicos significativos e relevantes, que foram transformadas em escalas: i)
Queixas Somáticas (SOM); ii) Ansiedade (ANX); iii) Perturbações Relacionadas com a Ansiedade
(ARD); iv) Depressão (DEP); v) Mania (MAN); vi) Paranoia (PAR); vii) Esquizofrenia (SCZ); viii)
Traços Borderline (BOR); ix) Traços Antissociais (ANT); x) Problemas com Álcool (ALC); e xi) Pro-
blemas com Drogas (DRG) (Morey, 1991).
Tendo em conta que estes constructos psicológicos envolvemrias componentes (e.g., a
perturbação depressiva tipicamente envolve uma componente afetiva, cognitiva e fisiológica),
Morey (1991) considerou pertinente organizar as escalas clínicas num conjunto de subescalas,
cada uma delas associadas a uma componente revelante da perturbação mental que pretende
analisar (ver Tabela 1).
Em termos de consistência interna, os valores mais elevados foram encontrados na amostra
clínica, designadamente no que diz respeito às escalas ANX (.94), DEP (.93), ALC (.93) e SUI (SUI)
(.93). As restantes escalas clínicas obtiveram valores superiores a .70 nas três amostras (i.e., comu-
nitária, clínica e universitária), à exceção da escala DRG, que obteve valores alfa de Cronbach de
.66 na amostra universitária (Morey, 1991).
Escalas de Contingência Clínica
As escalas de contingência clínica proporcionam indicadores de potenciais problemas, não
necessariamente associados a diagnósticos clínicos, mas que podem afetar a resposta dos sujei-
tos à intervenção clínica (Charles et al., 2022).
Neste sentido, as escalas SUI e de Agressividade (AGG) foram construídas para proporcionar
informação acerca do risco para o próprio respondente e para terceiros, respetivamente, auxi-
liando os clínicos nos processos de tomada de decisão (e.g., em contextos de necessidade de hos-
pitalização) (Morey & McCredie, 2020). O grau em que os fatores ambientais podem contribuir
28
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
para o desenvolvimento de crises agudas e para a manutenção de ganhos terapêuticos, assim
como as perceções que os respondentes têm do seu meio são proporcionadas pelas escalas de
Stress (STR) e Falta de Suporte Social (NON). Por sua vez, a escala de Resistência ao Tratamento
(RXR) procura medir a falta de motivação para o tratamento e a resistência à mudança (Morey,
1991; Morey & McCredie, 2020).
Os coeficientes alfa de Cronbach nas escalas de contingência clínica variaram entre .69
(obtido, na amostra universitária, na escala STR) e .93 (obtido, na amostra clínica, na escala SUI)
(Morey, 1991).
Escalas de Estilos de Relacionamento Interpessoal
As escalas de Estilos de Relacionamento Interpessoal avaliam o comportamento interpessoal
dos sujeitos, constituindo uma importante ferramenta clínica que auxilia na concetualização do
processo terapêutico (Kiesler, 1996; Tracey, 1993) e, ao mesmo tempo, proporcionam informação
acerca da variação da personalidade normal dos sujeitos e de eventuais perturbações mentais
(Kiesler, 1996; Pincus, 2005). Respostas inconsistentes nos itens destas escalas sugerem conflitos
na capacidade de vinculão dos respondentes (Morey & McCredie, 2019).
Estas escalas foram desenvolvidas para avaliar estilos interpessoais através de duas dimen-
sões, designadamente a Amabilidade (WRM), que mede um estilo caloroso e afiliativo em detri-
mento de um estilo frio e de rejeição, e a Dominância (DOM), uma dimensão caracterizada por
um estilo dominante e controlador, ao invés de um estilo submisso. Ao contrio de outras esca-
las do PAI, as escalas DOM e de WRM encontram distribuições semelhantes nas amostras da
comunidade e nas clínicas, indicando que estas escalas medem diferenças normativas, isto é,
não indicadoras de psicopatologia (Morey & McCredie, 2020).
A consistência interna das escalas de Estilos de Relação Interpessoal é satisfatória, com valo-
res a oscilar entre .78 (obtido na amostra comunitária na escala DOM) e .83 (obtido na amostra
clínica na escala WRM).
Itens Críticos
Morey (2007a, 2014) identificou 27 itens críticos do PAI, distribuídos em nove áreas de con-
teúdo (i.e., derio e alucinações, potencial para comportamentos autolesivos, potencial para
a agressão, abuso de substâncias, stressores traumáticos, potencial de simulação, inconfiável,
validade e contexto idiossincrático), que foram selecionados mediante a sua baixa frequência/
presença em amostras normativas e, como tal, possíveis indicadores de uma situação de crise,
podendo auxiliar na interpretação das escalas clínicas. Consequentemente, uma resposta posi-
tiva (i.e., seleção da opção “ligeiramente verdadeira,bastante verdadeira ou “totalmente ver-
dadeira) nestas 27 afirmações é atípica, pelo que os sujeitos deverão ser questionados acerca
destas (Weiner & Greene, 2017).
Índices Suplementares
Os índices suplementares foram desenvolvidos por Morey (1996) para avaliar outras dimen-
es clínicas, incluindo o risco de suicídio e de violência. O Índice de Potencial para o Suicídio
29
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
(SPI – Suicide Potential Index) foi construído para identificar os itens do PAI que têm sido consi-
derados pela literatura como estando mais associados à perpetração do suicídio (e.g., mal-estar
afetivo, abuso de álcool e drogas, desconfiança, isolamento social, insónia, impulsividade, raiva,
flutuações de humor, entre outros) (Morey, 2007a; Sinclair et al., 2012). Os 20 itens que constituem
o SPI são somados e convertidos em notas T. Este índice é considerado um bom preditor para o
comportamento suicida (Breshears et al., 2010; Morey, 2007a). Importa destacar que a escala SUI é
uma escala de ideação suicida e não uma escala de previsão do suicídio, pelo que o uso da infor-
mação suplementar providenciada pela SPI e outra informão documental é particularmente
relevante, auxiliando na tomada de decisões a nível da intervenção (Morey & Boggs, 2003).
O Índice de Potencial da Violência (VPI – Violence Potential Index), por seu turno, foi desen-
volvido ao extrair 20 itens do PAI representativos dos traços mais associados à violência e peri-
gosidade (e.g., raiva, controlo hostil nas relações, procura de sensações fortes, impulsividade,
agitação, comportamento antissocial, grandiosidade, abuso de álcool e drogas). A sua cotação é
obtida pela soma destes 20 indicadores e sua conversão em notas T (Morey, 2007a). Num estudo
coordenado por Boccaccini e colaboradores (2010), o VPI revelou tamanhos do efeito pequenos a
moderados na predão de reincidência de violência não-sexual (d = .32), reincidência não-vio-
lenta (d = .30) e violência sexual (d = .21).
Uma vez que a identificação de perfis enviesados se revela crucial em contextos onde o PAI
é usado para tomar decies importantes (e.g., planeamento de intervenção clínica, avaliações
forenses), foram, complementarmente, desenvolvidos vários indicadores do PAI para detetar
underreporting de sintomatologia (i.e., respostas que evitam revelar traços negativos ou sinto-
mas) devido a ingenuidade, defensividade ou omissão propositada. O indicador de Defensivi-
dade (DEF) foi desenvolvido para melhorar a capacidade de discriminação da escala PIM. É um
compósito de oito traços configuracionais que representam combinações de uma ou mais pon-
tuações de escalas que raramente ocorrem de forma natural (e.g., grandiosidade elevada, sem
irritabilidade). Estudos de simulão “faking good” revelam uma boa sensibilidade do indicador
(Baer & Wetter, 1997; Peebles & Moore, 1998).
O Índice de Simulação (MAL – Malingering Index; Morey, 1991) foi desenvolvido como suple-
mento à escala NIM e identifica diretamente a simulação da doença mental em detrimento da
identificação de psicopatologia genuína. É composto por oito traços configuracionais, represen-
tantes de combinações de uma ou mais pontuações em escalas pouco prováveis de ocorrer natu-
ralmente em amostras clínicas (e.g., elevado egocentrismo, sem valores elevados em compor-
tamento antissocial) (Morey & McCredie, 2019). Por sua vez, a Função Discriminante de Rogers
(RDF) é um índice desenvolvido como suplemento ao MAL. Não está relacionado com psicopato-
logia, procurando, antes, distinguir entre exagero de sintomas propositado e exagero relacionado
com problemas clínicos genuínos (Morey, 1996). Este índice tem revelado uma boa capacidade de
diferenciação de protocolos inválidos em diversos estudos de avaliação da simulação (e.g., Bagby
et al., 2002; Blanchard et al., 2003; Edens et al., 2007).
Ainda no que remete para indicadores de simulação, é importante nomear a Escala de Dis-
torções Negativas (NDS; Mogge et al., 2010), um índice composto por 15 dos itens mais raramente
selecionados por amostras clínicas. Este índice demonstrou sensibilidade (82%) e especificidade
(71%) consideráveis (Mogge et al., 2010), pelo que alguns autores consideram a sua capacidade de
deteção de simulação superior à de outros indicadores do PAI (Morey & McCredie, 2019; Rogers
et al., 2013; Thomas et al., 2012).
30
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
Administração, Cotação e Interpretão de Resultados
Administração
O PAI é aplicável a sujeitos a partir dos 18 anos de idade, com capacidade de leitura igual
ou superior ao 4º ano de escolaridade. A escala pode ser administrada no formato papel e lápis
ou via computador e, em média, tem uma duração de 40 a 50 minutos (Morey & McCredie, 2020;
Weiner & Greene, 2017). O tempo de administração do PAI é mais rápido do que o verificado nou-
tros instrumentos semelhantes (e.g., a maior parte dos sujeitos demora entre uma e duas horas a
responder ao MMPI-2, e sujeitos em internamento psiquiátrico e/ou com problemas psicopatoló-
gicos mais graves, entre três e quatro horas) (Mozley, 2001; Nichols, 2011).
O PAI pode ser administrado individualmente ou em grupo, salvaguardando sempre a con-
fidencialidade dos respondentes (Morey, 1991). A administração individual ou em grupo não
deverá influenciar o tempo de realização do inventário, uma vez que não é permitida a interação
entre os indivíduos (Morey, 1991). No que remete para a administração individual, em sujeitos
com incapacidades (e.g., problemas visuais) poderá ser disponibilizada uma versão áudio ou,
alternativamente, o examinador poderá ler cada item em voz alta. Contudo, nestas situações, é
recomendado que os próprios sujeitos registem as suas respostas na respetiva folha, em vez de as
comunicar verbalmente ao examinador (Morey & Boggs, 2003).
Cotação e Interpretação
As pontuações do PAI são apresentadas sob a forma de notas T, com média de 50 e desvio-pa-
drão de 10. O PAI é relativamente fácil de cotar, na medida em que a folha de respostas é de cota-
ção automática (manual ou através de programa informático) (Morey, 1991). Ainda que o processo
de cotação manual possa parecer complexo, este é simples e pode ser realizado em cerca de 10 a
15 minutos. Não obstante, é recomendada a cotação informatizada com recurso a software espe-
cífico (Weiner & Greene, 2017).
No sentido de proceder à interpretação do PAI, Morey (1991, 2007a) sugeriu como critério a
resposta a mais de 95% dos itens, não sendo permitida a omissão de mais de 17 itens. Concomi-
tantemente, recomendou que mais de 80% dos itens de cada escala ou subescala fossem respon-
didos para que possa ser interpretável. A pontuação total do PAI corresponde à soma das opções
de resposta em cada escala. Após analisar a validade do perfil, a interpretação do PAI pode ser
realizada a partir da análise das escalas individuais, ou analisando, num primeiro momento, as
duas escalas clínicas mais elevadas, com notas T iguais ou superiores a 70 (Weiner & Greene,
2017).
A interpretação dos resultados do PAI deverá ser efetuada por um profissional com conheci-
mentos na área da psicologia, mais especificamente personalidade, psicopatologia, psicometria
e sobre o significado das escalas, subescalas e índices suplementares do PAI (Morey, 1991). A
interpretação dos resultados terá sempre em conta o contexto de administração do inventário
(e.g., seleção e recrutamento de profissionais; avaliação de reclusos; avaliação das capacidades
parentais), pelo que, dependendo da situação e finalidade, de um mesmo instrumento podem-se
extrair diferentes implicações (Meehl & Rosen, 1955).
31
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
Qualidades Psicométricas do PAI: Revisão da literatura
A qualidade psicométrica do PAI tem reunido consenso a nível internacional, comltiplos
estudos a comprovar a sua fiabilidade e validade. De seguida, serão sistematizados os dados refe-
rentes a estes mesmos estudos e às qualidades psicométricas do PAI.
Uma pesquisa realizada nas bases de dados Web of Knowledge, Google Scholar, EBSCO e
Redalyc permitiu verificar a existência de diversos artigos que abordam estudos de validação
recorrendo à utilização das palavras-chave Personality Assessment Inventory e PAI. Estes estu-
dos, adiante nomeados, procederam à alise da fiabilidade e validade concorrente do Inventá-
rio.
Fiabilidade
A fiabilidade do PAI foi estudada em numerosas investigações, tanto a nível de consistência
interna (e.g., Alterman et al., 1995; Boyle & Lennon, 1994; Karlin et al., 2005; Morey, 1991; Morey &
McCredie, 2019; Rogers et al., 1998), como do teste-reteste (i.e., estabilidade temporal) (e.g., Boyle
& Lennon, 1994; Morey, 1991; Morey & McCredie, 2019; Rogers et al., 1998).
A consistência interna das subescalas reportada no manual do instrumento apresentou alfas
de Cronbach que rondaram, em média, .70 para a amostra de estandardização (com valores que
variaram entre .51, na subescala de Nível de Atividade – MAN-A e .81, nas subescalas Preocupa-
ções com a Saúde – SOM-H, Ansiedade Cognitiva – ANX-C e Stress Traumático – ARD-T), .72 para
uma amostra universitária (com valores que variaram entre .57, na subescala de Nível de Ativi-
dade – MAN-A e .85, na subescala de Stress Traumático – ARD-T) e .78 para a amostra clínica (com
valores que variaram entre .55, na subescala de Nível de Atividade – MAN-A e .89, na subescala
ARD-T).
De modo geral, os valores variam de indesejáveis a muito bons em todas as escalas, sendo
os valores indesejáveis referentes às escalas ICN e INF, por motivos explicitados anteriormente
(Morey, 1991). Importa referir que um instrumento é classificado como tendo fiabilidade minima-
mente aceitável quando o alfa de Cronbach encontra-se entre .65 e .70 (critério de Devellis, 2017;
Nunnally, 1978), o que se verificou praticamente na totalidade das escalas clínicas (e.g., amostra
de estandardização obteve uma média de .78, a amostra universitária registou uma média de .75
e a amostra clínica obteve uma média de .81).
Morey (1991) apontou que a média das correlações inter-item do PAI rondava tipicamente os
.20, argumentando que tal ocorreu porque os itens abordam conteúdos independentes. A fiabili-
dade teste-reteste das 11 escalas clínicas foi testada numa amostra saudável (i.e., com 75 sujeitos
da comunidade e 80 sujeitos universitários), num intervalo de quatro semanas. Os resultados
apontaram para uma fiabilidade .82 para as escalas completas. As alterações das notas T foram
de, aproximadamente, 3 a 4 pontos, pelo que o PAI demonstrou uma adequada estabilidade tem-
poral (Morey, 1991).
Validade Concorrente
Têm sido desenvolvidos ltiplos estudos correlacionais, no sentido de testar a validade
concorrente com as escalas do PAI (e.g., Briere, 2000; Briere & Runtz, 2002; Carr et al., 2005; Edens
32
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
et al., 2001; Kurtz et al., 1993; Kurtz & Morey, 2001; Morey, 1991; Peebles & Moore, 1998; Rogers
et al., 1998; Till et al., 2009; Young & Schinka, 2001). São de particular interesse os estudos reali-
zados com o PAI, com o MMPI-2, com o Inventário Multifásico de Personalidade de Minnesota-2
– Forma Reestruturada (MMPI-2-RF) e com o Inventário Clínico Multiaxial de Millon – III (MCMI-
-III). Estes estudos permitem verificar a validade concorrente das escalas do PAI (e.g., correlações
de .74 entre a escala SOM do PAI e a escala Hipocondria do MMPI-2; correlações de .68 entre a
escala DOM do PAI e a escala suplementar de Ousadia do MMPI-2-RF; correlações de .63 entre a
escala de Traços Antissociais (ANT) e a escala Antissocial do MCMI-III, entre outros).
Assim, os estudos supramencionados têm permitido atestar a validade concorrente das
escalas e subescalas do PAI.
Contextos de Aplicão do PAI
No sentido de determinar as investigações realizadas com recurso ao PAI em diversos con-
textos, foi realizada nova pesquisa nas bases de dados Web of Knowledge, Google Scholar, EBSCO
e Redalyc, desta vez associada ao cruzamento das palavras Personality Assessment Inventory, PAI,
Clinical e Forensic. Esta pesquisa permitiu-nos obter múltiplos resultados, que serão, de seguida,
sistematizados.
Contexto Clínico
Desde a sua génese que o PAI tem sido utilizado no âmbito clínico. Diversos estudos descre-
vem a sua utilidade neste contexto, desde a sua aplicabilidade para o diagstico e monitoriza-
ção de sujeitos com perturbações de personalidade e outras perturbações psiquiátricas, à sua
adequação enquanto guia de planos de intervenção específicos (e.g., De Moor et al., 2009; Jacobo
et al., 2007; Klonsky, 2004; Stein et al., 2007; Till et al., 2009) e à sua capacidade de previsão de
desistência de acompanhamento (Charnas et al., 2010). Alguns estudos apontam, ainda, para o
seu contributo no diagnóstico de pacientes com episódios epiléticos e sua diferenciação de sujei-
tos com episódios convulsivos não-epiléticos (e.g., Marc Testa et al., 2011; Morey & McCredie,
2020).
Contexto Forense
O PAI tem revelado utilidade em contextos forenses (e.g., correcional, prisional, pericial),
auxiliando, a título de exemplo, na avaliação do risco de reincidência criminal e de infrações
disciplinares de reclusos (e.g., Boccaccini et al., 2010; Gardner et al., 2015; Jung et al., 2018; Reidy
et al., 2016; Ruiz et al., 2014), na avaliação do risco de violência (e.g., Boccaccini et al., 2017; Hume-
nik et al., 2019; Reidy et al., 2016), na avaliação de simulação de sintomas (e.g., Boccaccini et al.,
2006; Edens et al., 2007; Kucharski et al., 2007) e na avaliação da competência para ir a tribunal
(e.g., Edens et al., 2001; Lally, 2003; Mullen & Edens, 2008).
No que concerne à avaliação do risco, o PAI tem, de facto, ganho notoriedade, uma vez que as
escalas como a AGG e ANT são um adequado ponto de partida para a avaliação do potencial de
agressividade de um sujeito. Outros índices complementares, como o VPI, têm em consideração
33
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
múltiplos fatores de risco para a perigosidade (Morey & Boggs, 2003). No que remete ao risco do
suicídio, a utilização da escala SUI, em concomitância com o cálculo do SPI, permite avaliar o
potencial de suicídio (Morey, 1991; Sinclair et al., 2012; Weiner & Greene, 2017).
Outros contextos forenses de aplicação incluem a avaliação de inimputabilidade devido
a incapacidade cognitiva (Matlasz et al., 2017), a avaliação de competências parentais (Morey,
2007a) e a avaliação de vítimas de acidentes (Cheng et al., 2010).
Identificação de Funcionamento Normal e Adaptativo
Ainda que o PAI tenha sido inicialmente concebido para avaliar o mal-estar e a disfunção
psicológica, é também capaz de informar acerca da saúde psicológica geral e a existência de
coping adaptativo, mediante a análise de configurações de resultados em escalas específicas.
Morey e Hopwood (2007) indicam que estas configurações podem estar organizadas em torno de
três constructos psicológicos específicos: i) autoconceito (baseado na escala de Grandiosidade,
Depressão Cognitiva e Problemas de Identidade); ii) estilo interpessoal (baseado na escala DOM
e WRM) e iii) perceção de recursos potenciadores do ambiente (focado na escala NON e STR).
Algumas escalas do PAI que medem a patologia podem também oferecer informação sobre
pontos fortes ou áreas de funcionamento positivo do sujeito. A título de exemplo, pontuações
médias nas escalas de validade sugerem que o sujeito tem perceções realistas sobre si e sobre o
seu ambiente; pontuações baixas a moderadas na subescala ARD-O podem ser indicadoras de
conscienciosidade individual e capacidade de organização, assim como podem ser um preditor
de desempenho positivo em contextos laborais (DeCoster-Martin et al., 2004; Morey & McCredie,
2019).
Por fim, ainda que pontuações numa direção possam indicar patologia, as pontuações na
direção oposta podem apontar para atributos positivos (e.g., resultados baixos na escala de Ego-
centrismo sugerem capacidade de empatia; resultados baixos na escala de Irritabilidade indicam
tolerância à frustração) (Morey & McCredie, 2019).
Adaptações e Validações noutros Países
O PAI tem sido objeto de adaptação e validação em numerosos países, atestando a relevância
deste instrumento de avaliação da personalidade. As versões do PAI decorrentes destas valida-
ções são a seguir resumidas e incluem países como a República Popular da China, Alemanha,
Espanha, Grécia, Ilia, México, Argentina, Vietname, Irão, Coreia do Sul e França-Canadá. Os
estudos de adaptação selecionados foram encontrados através da pesquisa nas bases de dados
Web of Knowledge, Google Scholar, EBSCO e Redalyc, mediante o cruzamento das palavras Per-
sonality Assessment Inventory, PAI, validation e adaptation.
A primeira adaptão internacional do PAI foi iniciada na China por Cheung e colaboradores
(1996, 2003). Para além dos itens inicialmente propostos por Morey, Cheung e colegas procura-
ram adaptar o inventário à cultura chinesa, construindo um conjunto de escalas referentes a
constructos com particular relencia para esta cultura, extensivamente estudados na literatura
psicológica chinesa e não abordados noutras escalas da personalidade (e.g., escala de Harmo-
nia, Modernização, Grandiosidade versus Maldade e Apresentação Social) (Cheung et al., 2003).
34
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
Aversão de estandardização, constituída por 524 itens, foi submetida a uma Análise Fatorial
Exploratória (AFE) que verificou a presença de quatro fatores nas escalas globais (i.e., Confiabi-
lidade, Acomodação, Poder Social e Individualismo) e dois fatores nas escalas clínicas (i.e., Pro-
blemas Emocionais e Problemas Comportamentais). O inventário é constituído por 22 escalas
da personalidade, 12 escalas clínicas e três escalas de validade. Os valores de alfa de Cronbach
(consistência interna), calculados no estudo de estandardização a partir de uma amostra com-
posta por 1747 adultos (580 adultos de Hong Kong e 1167 da República Popular da China), atingi-
ram uma mediana de .74 na amostra de Hong Kong e de .70 na amostra da República Popular da
China.
A adaptação alemã foi impulsionada por Groves e Engel (2007), baseando-se numa amostra
de 749 adultos. As diferenças entre as normas americanas e alemãs foram relativamente peque-
nas e uma AFE manteve a estrutura fatorial original do inventário. Como tal, os 344 itens do
inventário foram distribuídos ao longo de dois fatores para as 11 escalas clínicas e quatro fatores
para as 22 escalas. A média dos valores de alfa de Cronbach da versão alemã é de .79, revelando-
-se adequada.
Na versão espanhola, adaptada por Ortiz-Tallo e colaboradores (2011) com base numa amos-
tra de 1949 sujeitos (940 de uma amostra normativa e 1009 de uma amostra clínica), o PAI man-
teve os 344 itens originais, mas uma AFE resultou numa estrutura fatorial de cinco dimensões.
Aconsistência interna variou entre os .46 e os .89, resultados inferiores aos obtidos por Abilleira
e colegas (2019) num estudo com a versão breve do PAI espanhol, onde os valores da escala global
foram de .95 e, nas restantes escalas, variaram entre .59 e .90.
A versão grega do PAI foi adaptada, em 2011, com base numa amostra de 1870 participantes
(1120 sujeitos da populão normal, 450 doentes hospitalizados e 300 doentes em ambulatório).
o tendo sido realizado um estudo fatorial, manteve-se a estrutura fatorial original e a sua
consistência interna foi satisfatória, com a maioria das escalas e subescalas a apresentar valores
superiores a .70 (Lyrakos, 2011).
A versão italiana do PAI foi publicada por Zennaro e colaboradores em 2015 e mais tarde vali-
dada por Pignolo et al. (2018), com uma amostra de estandardização de 2578 participantes (992
de uma amostra comunitária, 479 de uma amostra clínica e 1107 de uma amostra universitária).
Ainda que os segundos autores tenham verificado, numa Análise Fatorial Confirmatória (AFC),
que o modelo inicialmente proposto por Morey tinha bom ajustamento, optaram por testar a
qualidade de um modelo de três fatores, mediante uma AFE e posterior AFC. Esta nova estrutura
de três fatores revelou melhores índices de ajustamento, pelo que a primeira dimensão está asso-
ciada a sintomatologia e mal-estar psicológico geral, a segunda a humor elevado e dominância e
a terceira ao uso de substâncias e psicopatia (Pignolo et al., 2018).
Ainda em 2015, o PAI foi validado para a população mexicana, por Cardenas e colegas (2015),
junto de uma amostra de 961 sujeitos da comunidade. Os autores realizaram uma AFE, levando
à eliminação de 123 itens, por falta de capacidade discriminativa dos itens, por baixa correlação
com os fatores que se propõem integrar ou porque alguns itens apresentaram cargas fatoriais ele-
vadas em mais do que um fator, obtendo-se uma versão de 221 itens. A eliminação deste número
significativo de itens levou a uma alteração da estrutura fatorial do inventário, nomeadamente
no que concerne às escalas de validade, que passaram a ser três (INF, PIM e NIM). Adicional-
mente, a eliminação de itens significou que as escalas SOM e SUI integrassem apenas três itens,
impossibilitando a construção de um modelo adequado, como se verificou numa AFC posterior.
35
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
A consistência interna desta versão variou entre os .14 (para a escala INF) e .76 (nas escalas SOM
e SUI).
A versão argentina do PAI (Stover et al., 2015) foi adaptada a partir da versão espanhola de
Ortiz-Tallo e colaboradores (2011), através de uma amostra constituída por 998 sujeitos da popu-
lação normal. Uma AFE das 22 escalas obteve uma solução de cinco fatores (i.e., mal-estar e sin-
tomatologia; impulsividade e inconsistência; isolamento social, problemas de adaptação à reali-
dade, interpessoal, falta de suporte social e desrespeito das normas; excesso de energia e falta
de empatia; desinteresse no tratamento e falta de sinceridade), enquanto a análise fatorial às 11
escalas clínicas identificou uma solução de três fatores (i.e., i. perturbações afetivas e de pen-
samento e sentimentos de ansiedade, ii. sintomatologia de externalização e iii. impulsividade e
inconsistência). Os valores de alfa de Cronbach foram de adequados, com uma média de .70 para
as escalas e de .64 para as subescalas, variando entre .60 e .86.
A versão iraniana do PAI (Akbari-Zardkhaneh & Tabatabaee, 2019), obtida através de uma
amostra de 462 estudantes universitários, revelou valores de consistência interna superiores a
.62 nas escalas e uma AFE reteve seis fatores (i.e., Tendência Antissocial, Depressão e Ansiedade,
Instabilidade de Emocional, Perturbações Psicóticas, Perturbações Psicossomáticas e Problemas
de Stress).
A versão coreana do PAI, inicialmente concebida em 2001 (Kim et al., 2001), foi recentemente
reavaliada do ponto de vista da sua estrutura fatorial (Lee et al., 2020; Yoon et al., 2020), com
recurso a uma amostra de 1279 sujeitos da população normal. A estrutura de três fatores da ver-
são coreana original (i.e., mal-estar e sintomatologia; abuso de subsncias; problemas compor-
tamentais e interpessoais) para as 22 escalas do PAI foi confirmada, no entanto uma AFC revelou
que os índices de ajustamento do modelo são pobres. Os alfas de Cronbach apresentaram uma
média de .78, com valores que variaram entre .44 e .88.
Outros estudos de adaptação do PAI incluem a versão vietnamita (Bach-Nguyen & Morey,
2018) e a versão canadiana (Jeffay et al., 2021) do inventário. No entanto, estas apresentam limita-
ções metodológicas, designadamente no que remete para as amostras utilizadas, com dimenes
aquém do ideal para estudos de estandardização (e.g., o estudo com a versão vietnamita do PAI
recorreu a uma amostra de 128 sujeitos da população geral e o estudo da versão canadiana utili-
zou uma amostra de 56 estudantes universitários). Uma vez que a literatura indica que amostras
inferiores a 200 participantes são inadequadas para estudos de validação e normalização de
instrumentos (Evers et al., 2013), os estudos acima referenciados não foram aprofundados neste
artigo.
Os diversos estudos de adaptação e validação do PAI realizados internacionalmente refor-
çam a validade do inventário e a sua capacidade de se adaptar a diversos contextos e culturas.
Não obstante, será de apontar que a maioria dos estudos fatoriais apenas realizaram alises
explorarias, existindo ainda esforços de investigação a realizar no que se refere à confirmação
das estruturas adotadas nos diferentes países.
Na Tabela 2, é possível consultar os estudos onde foram realizadas análises fatoriais às 22
escalas globais ou, alternativamente, às 11 escalas clínicas do PAI, bem como uma síntese das
versões adaptadas do PAI.
36
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
TABELA2
Síntese de Estudos de Validação e Estudos Fatoriais do PAI
Composição de Fatores
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Acting out, impulsividade
3. Egocentrismo, exploração e hostilidade
4. Isolamento social
1. Mal-estar subjetivo, disrupção afetiva
2. Acting out, impulsividade
1. Acting out, hostilidade, impulsividade
2. Extroversão, apresentação positiva
3. Mal-estar generalizado
4. Tendências Antissociais
5. Ambiente e escolhas negativas
1. Mal-estar psicológico geral
2. Narcisismo e exploração
3. Comportamento irresponsável, impulsivo
4. Funcionamento interpessoal
1. Mal-estar psicológico geral
2. Narcisismo e exploração
3. Comportamento irresponsável, impulsivo
1. Conabilidade
2. Acomodação
3. Poder Social
4. Individualismo
N.º
Fatores
4
2
5
4
3
4
Método
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
AF (MV)
Rotação
oblíqua
FEP
Rotação
oblíqua
FEP
Rotação
oblíqua
ACP
Rotação
ortogonal
Escalas
22 escalas
11 escalas
clínicas
21 escalas (ICN
excluída)
22 escalas
11 escalas
clínicas
22 escalas
Amostra
2246
(1000 – amostra comunitária; 1246
– amostra clínica)
2246
(1000 – amostra comunitária; 1246
– amostra clínica)
221
(170 – amostra comunitária;
51 – amostra clínica)
168
(amostra comunitária)
168
(amostra comunitária)
1747
(580 – amostra comunitária
de Hong Kong; 1167 – amostra
comunitária da República Popular
da China)
País
Estados Unidos
da América
Estados Unidos
da América
Austrália
Estados Unidos
da América
Estados Unidos
da América
China
Referência
Morey (1991)
Morey (1991)
Boyle & Lennon (1994)
Deisinger (1995)
Deisinger (1995)
Cheung et al. (1996)
37
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
Composição de Fatores
1. Problemas emocionais
2. Problemas comportamentais
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Acting out, impulsividade
3. Egocentrismo, exploração e hostilidade
4. Isolamento social
1. Mal-estar subjetivo, disrupção afetiva
2. Frieza interpessoal, desconança,
distanciamento social
3. Acting out
4. Calosidade, hostilidade, egocentrismo,
exploração
5. Validade
1. Mal-estar psicológico não especicado
2. Alienação, desconexão, desconança
3. Acting out, irresponsabilidade, hostilidade
4. Abuso de substâncias, respostas
idiossincráticas
1. Mal-estar psicológico não especicado,
disrupção afetiva
2. Acting out, irresponsabilidade, hostilidade
3. Abuso de substâncias
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Acting out, impulsividade
3. Egocentrismo, exploração e hostilidade
4. Isolamento social
N.º
Fatores
2
4
5
4
3
4
Método
ACP
Rotação
ortogonal
--
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
Escalas
11 escalas
clínicas
22 escalas
22 escalas
22 escalas
11 escalas
clínicas
22 escalas
Amostra
1747
(580 – amostra comunitária
de Hong Kong; 1167 – amostra
comunitária da República Popular
da China)
2212
(amostra comunitária)
238
(amostra clínica)
432
(amostra clínica)
432
(amostra clínica)
749 (amostra comunitária)
País
China
Coreia do Sul
Canadá
Estados Unidos
da América
Estados Unidos
da América
Alemanha
Referência
Cheung et al. (1996)
Kim et al. (2001)
Tasca et al. (2002)
Karlin et al. (2005)
Karlin et al., (2005)
Groves & Engel (2007)
38
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
Composição de Fatores
1. Mal-estar subjetivo, disrupção afetiva
2. Acting out, impulsividade
1. Mal-estar generalizado
2. Humor elevado e dominância
3. Abuso de substâncias e psicopatia
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Acting out, impulsividade
3. Egocentrismo, exploração e hostilidade
4. Isolamento social
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Impulsividade e acting out
3. Egocentrismo, abuso e exploração nas
relações
4. Isolamento social e suscetibilidade/
hipersensibilidade nas relações
5. Descuidado
1. Mal-estar generalizado
2.Acting out
3. Isolamento social
4. Vulnerabilidade ao abuso de substâncias
5. Respostas aleatórias
1. Comportamentos internalizantes
2. Comportamentos externalizantes
.
N.º
Fatores
2
3
4
5
5
2
Método
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
oblíqua
--
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
AFC
ACP
Rotação
ortogonal
AFC
Escalas
11 escalas
clínicas
22 escalas
22 escalas
22 escalas
22 escalas
11 escalas
clínicas
Amostra
749 (amostra comunitária)
227
(amostra clínica)
1870
(1120 – amostra comunitária; 750 –
amostra clínica)
1949
(940 – amostra comunitária; 1009
– amostra clínica)
464
(amostra clínica)
464
(amostra clínica)
País
Alemanha
Estados Unidos
da América
Grécia
Espanha
Estados Unidos
da América
Estados Unidos
da América
Referência
Groves & Engel (2007)
Hoelzle & Meyer
(2009)
Lyrakos (2011)
Ortiz-Tallo (2011)
Busse et al. (2014)
Busse et al. (2014)
39
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
Composição de Fatores
--
1. Mal-estar subjetivo e sintomatologia
2. Impulsividade e inconsistência
3. Isolamento social, ideação extravagante,
diculdades na leitura da realidade,
desconança, falta de suporte social e
desrespeito das normas
4. Ausência de empatia, excesso de energia e
impulsividade
5. Desinteresse pelo tratamento, falta de
sinceridade e imagem negativa/positiva
1. Perturbações afetivas e de pensamento e
sintomas de ansiedade
2. Sintomatologia de externalização
3. Impulsividade e inconsistência
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Acting out, impulsividade
3. Egocentrismo, exploração e hostilidade
4. Isolamento social
--
1. Sintomatologia e mal-estar generalizado
2. Humor elevado e dominância
3. Abuso de substâncias e psicopatia
N.º
Fatores
--
5
3
4
5
3
Método
AFC
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
ortogonal
--
ACP
Rotação
ortogonal
ACP
Rotação
oblíqua
Escalas
22 escalas
22 escalas
11 escalas
clínicas
22 escalas
22 escalas
22 escalas
Amostra
961
(amostra comunitária)
998
(amostra comunitária)
998
(amostra comunitária)
2578
(992 – amostra comunitária; 479
– amostra clínica; 1107 – amostra
universitária)
128
(amostra comunitária)
1538
(amostra comunitária)
País
México
Argentina
Argentina
Itália
Vietname
Itália
Referência
Cardenas et al. (2015)
Stover et al. (2015)
Stover et al. (2015)
Zennaro et al. (2015)
Bach-Nguyen & Morey
(2018)
Pignolo et al. (2018)
40
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
Composição de Fatores
1. Tendência antissocial
2. Depressão e ansiedade
3. Instabilidade emocional e de humor
4. Perturbação psicótica
5. Perturbação psicossomática
6. Problemas relacionados com o stress
1. Sintomatologia e mal-estar generalizado
2. Comportamentos impulsivos e antissociais
3. Abuso de substâncias e irresponsabilidade
4-Dominância energética
1. Sintomatologia e mal-estar generalizado
2. Comportamentos impulsivos e antissociais
3. Abuso de substâncias
--
1. Mal-estar e sintomatologia
2. Abuso de substâncias
3. Problemas comportamentais e
interpessoais
--
Nota. ACP: Análise de Componentes Principais; FEP: Alise em Fatores Principais; AF: Análise Fatorial; MV: Máxima Verossimilhaa; ESEM: Modelo de equação estrutural exploratória; TR: Target
Rotation.
N.º
Fatores
6
4
3
3
--
Método
ACP
Rotação
ortogonal
ESEM
(MV)
TR
ESEM
(MV)
TR
--
ACP
Rotação
oblíqua
--
Escalas
22 escalas
22 escalas
11 escalas
clínicas
--
22 escalas
22 escalas
Amostra
462
(amostra universitária)
811
(amostra forense)
811
(amostra forense)
1263
(amostra comunitária)
1279
(amostra comunitária)
56
(amostra universitária)
País
Irão
Espanha
Espanha
Coreia do Sul
Coreia do Sul
Canadá
Referência
Akbari-Zardkhaneh &
Tabatabaee (2019)
Burneo-Garcés et al.
(2020)
Burneo-Garcés et al.
(2020)
Lee et al. (2020)
Yoon et al. (2020)
Jeay et al. (2021)
41
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
Outras Versões do PAI
A criação do PAI foi acompanhada pelo desenvolvimento de veres alternativas do inventá-
rio, concebidas para facilitar os processos de avaliação em contextos específicos, ou para ajustar
o instrumento a amostras específicas. De seguida, serão descritas a versão breve, a versão de
screening e a versão para adolescentes do PAI.
Inventário de Avaliação de Personalidade – Versão Breve (PAI-SF; Personality Assessment
Inventory – Short Form)
Uma vez que os primeiros 160 itens do PAI revelaram as correlações item-total mais elevadas,
foi possível construir uma versão breve do PAI (PAI-SF) a partir destes, inicialmente concebida
para auxiliar técnicos em circunstâncias específicas (Sinclair et al., 2010).
Há várias situações para as quais o uso da versão breve do PAI está indicado. Em primeiro
lugar, em avaliações neuropsicológicas onde são aplicadas baterias de testes cognitivos, morosos
e exigentes poderá ser útil uma medida breve de rastreio de psicopatologia e do seu eventual
impacto no funcionamento cognitivo, ou na identificão de sujeitos que necessitam de uma ava-
liação mais completa (Frazier et al., 2006). Uma versão breve permite também que sujeitos mais
suscetíveis ao cansaço (e.g., sujeitos mais velhos), ou sujeitos com níveis intelectuais inferiores
possam ser avaliados, constituindo, pela sua rápida administração, uma ferramenta útil aquando
da realização de investigações (Frazier et al., 2006; Weiner & Greene, 2017).
A consistência interna das 20 escalas da versão breve apresentou uma média de .73 e a média
do teste-reteste é de .77. Complementarmente, as correlações com a versão original do PAI tive-
ram uma média de .90, indicando que as pontuações da versão breve são uma aproximação
razoável às pontuações da versão original (Morey, 1991).
o obstante as suas qualidades psicométricas e práticas, a versão breve do PAI tem algumas
limitações, entre as quais o facto de conter apenas 20 das 22 escalas originais, estando as escalas
ICN e STR ausentes. A ausência destas duas escalas não só enfraquece a deteção de perfis váli-
dos, como põe em causa a estrutura fatorial inicialmente proposta para o inventário. Acresce
que, nesta versão, algumas escalas têm apenas quatro itens, o que poderá diminuir a fiabilidade
das mesmas (Frazier et al., 2006).
De modo geral, o PAI-SF constitui uma medida útil na monitorização e rastreio rápido da
personalidade, mas o seu uso em contextos de tomada de decisão não é aconselhado, pelo que
não pode ser encarado como um substituto da administração da versão completa do inventário
(Morey, 1991), devendo a sua utilização ser ponderada em função das características do caso e da
finalidade da avaliação em causa.
Screener de Avaliação da Personalidade (PAS; Personality Assessment Screener)
O Screener de Avaliação da Personalidade (PAS) foi desenvolvido por Morey em 1997 para
detetar o risco de problemas emocionais e comportamentais. É um instrumento constituído
por 22 itens, extraídos do PAI. Os 22 itens organizam-se numa estrutura de 10 domínios (i.e.,
afeto negativo, acting out, problemas de saúde, traços psicóticos, isolamento social, controlo
hostil, ideação suicida, alienação, problemas com álcool e controlo da raiva), com o objetivo de
42
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
Mauro Paulino, Mariana Moniz, Octávio Moura, Daniel Rijo, Mário R. Simões
discriminar os sujeitos que experienciam disfuão emocional e comportamental (Kelley et
al., 2016; Morey, 1997).
As pontuações brutas obtidas no PAS são somadas para determinar a pontuação total, por
sua vez, convertida em pontuação P (i.e., probability values – probability estimates) que indica a
probabilidade de identificação de psicopatologia significativa (nota T >70), caso fosse adminis-
trada a versão completa do PAI (Morey, 1997). Complementarmente, as pontuações brutas podem
ser categorizadas em níveis de risco: baixo (≤ 12), normal (13-15), leve (16-18), moderado (19-23),
elevado (24-44) ou extremo (≥ 45) (Kelley, 2016).
O PAS demonstrou uma adequada validade concorrente, incluindo correlações moderadas
com medidas de mal-estar (e.g., ansiedade, raiva), doença mental severa (e.g., psicose), abuso de
substâncias e perturbações da personalidade (e.g., Morey, 1997; Porcerelli et al., 2012). Em con-
texto forense, mostrou forte correlação com medidas relevantes, tais como o Inventário de Perso-
nalidade Psicopática (PPI) (r = .60), mas fraca associação com a Escala de Avaliação da Psicopatia
de Hare – Versão Reduzida (PCL-R) (r = .19) (Kelley et al., 2018). Num estudo de Kelley e colabora-
dores (2016), a consistência interna do instrumento foi modesta (.67).
O PAS é um instrumento rápido de administrar (os respondentes demoram, emdia, cinco
minutos a completá-lo) e esta brevidade constitui uma mais-valia, permitindo a sua aplicação em
contextos com restrições temporais, onde não há possibilidade de administrar instrumentos mais
exaustivos de avaliação da personalidade (Edens et al., 2019; Kelley et al., 2018). É considerada
uma medida útil na identificação de esquizofrenia (e.g., Christensen et al., 2006), de perturbações
emocionais, da personalidade e de consumo de substâncias (e.g., Creech et al., 2010; Porcerelli
et al., 2012), assim como de sintomas dissociativos (e.g., McLeod et al., 2004), de depressão e de
ideação suicida em reclusos (e.g., Harrison & Rogers, 2007; Truong et al., 2022). O PAS poderá ser
ainda utilizado para identificar situações de abuso na infância e experiências de violência nas
relações íntimas (e.g., Porcerelli et al., 2015).
o obstante as suas qualidades, o instrumento foi concebido para a utilização em contextos
de triagem, não devendo constituir a única base para a tomada de decisões clínicas significativas
(Morey, 1997).
Inventário de Avaliação de Personalidade para Adolescentes (PAI-A; Personality Assessment
Inventory – Adolescent)
O desenvolvimento de uma versão do PAI para adolescentes foi iniciado em 1999, pelas mãos
de Morey, tendo sido mais tarde publicado (Morey, 2007b). Aqui, o objetivo era explorar a aplicabili-
dade de uma versão paralela à dos adultos, mantendo a estrutura e, se possível, os mesmos itens. A
construção do PAI-A necessitou de uma adaptação dos itens da versão adulta com vista a que o con-
teúdo fosse relevante e significativo para amostras mais jovens. Deste modo, o objetivo foi garan-
tir que os itens selecionados eram interpretativamente comparáveis entre as amostras de adultos
e adolescentes, numa tentativa de garantir a continuidade de interpretação entre os dois instru-
mentos. Dos itens selecionados do PAI original, poucos necessitaram de ser rescritos, tendo sido
transformados em equivalentes próximos dos originais (Meyer et al., 2015; Weiner & Greene, 2017).
O PAI-A inclui 264 itens, tendo sido validado junto de uma amostra de 707 adolescentes
da comunidade e 1160 adolescentes utentes em contextos clínicos ou correcionais, com ida-
des compreendidas entre os 12 e os 18 anos (Meyer et al., 2015). O processo interpretativo do
43
PSIQUE • e-ISSN 2183-4806 • Volume XIX • Issue Fascículo 2 • 1st july julho-31st december dezembro 2023 pp. 21-53
O Inventário de Avalião da Personalidade (PAI): Contributos para a avaliação psicogica em Portugal
PAI-A é igual ao da versão para adultos. Num estudo de Preston e colaboradores (2020), o alfa de
Cronbach da versão para adolescentes variou entre .47, obtido na subescala BOR-N, e .87, obtido
na escala ANX.
O PAI em Portugal: Estudos de validação
O início do processo de validação do PAI para a população portuguesa teve início em 2018,
no âmbito de um projeto de Doutoramento em Psicologia Forense, na Faculdade de Psicologia e
de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FPCE-UC), por Mauro Paulino e sob orien-
tação de Mário. R. Simões, Daniel Rijo e Octávio Moura, com o título “Inventário de Avaliação
da Personalidade (PAI): Estudos de validão em contextos forenses”. A finalidade dos estudos
portugueses é a adaptação do PAI e suas versões reduzidas (i.e., PAI-SF e PAS) aos contextos
comunitário e forense.
Foi recolhida amostra proveniente da população geral através de aplicação online do inven-
tário (amostra não clínica da população geral constituída por 900 participantes), assim como
amostras provenientes de contextos forenses, para a realização de diversos estudos de validação,
incluindo mulheres vítimas de violência doméstica, agressores em contexto de reclusão, proge-
nitores em litígio nos Tribunais de Família e Menores e profissionais forenses (i.e., Jzes, Procu-
radores e Advogados).
O processo de validação do PAI para Adolescentes (PAI-A) i, de igual modo, iniciar-se no
final de 2023, estando já formalizado contrato com o respetivo grupo editorial.
Conclusões
Publicado, em 1991, nos Estados Unidos da Arica, pelo trabalho de Leslie Morey, o PAI é um
instrumento com múltiplas potencialidades (e.g., rapidez de administração, simplicidade de cota-
ção). Constitui uma melhoria em relação a outros instrumentos de avaliação da personalidade,
devido à sua base estatística e teórica que garante a não sobreposição de itens, assim como coro-
lário do seu processo de construção, onde as dimensões avaliadas foram selecionadas com base
na sua importância para a concetualização diagnóstica e na sua relevância para a prática clínica.
A sua utilidade numa multiplicidade de contextos tem sido exaustivamente reportada na
literatura (e.g., Humenik et al., 2019; Morey & McCredie, 2020), tendo recebido especial atenção
em contextos clínicos e forenses. Diversos estudos têm reforçado a sua validade e adequadas pro-
priedades psicométricas, não obstante as discussões em torno da solução fatorial mais adequada
para o inventário. Tais discussões são comuns na área da adaptação e validação de instrumen-
tos de avaliação psicológica, onde as características das amostras estudadas e as metodologias
empregues poderão afetar a estrutura fatorial de um dado instrumento.
O PAI beneficia de um conjunto de índices suplementares, úteis para a avaliação de outras
dimensões clínicas, entre as quais o risco de suicídio, o risco de violência, o underreporting de
sintomatologia e a simulação de sintomas. Atualmente, o recurso a estes índices está, em grande
parte, padronizado, auxiliando os técnicos a interpretar os perfis do PAI (Morey, 2007a) e a sua
utilidade é reconhecida em ltiplos contextos de trabalho, nomeadamente o forense, onde a
avaliação da violência, defensividade e simulação de sintomas é de especial imporncia.